Pais separados: o filho deve escolher com quem ficar?

Escrito por Thais Souza.

A separação conjugal não é fácil para os filhos, não importa a idade que tenham. Por mais que a situação do casamento dos pais estivesse ruim e os conflitos fossem constantes e isto também trouxesse tristeza para os filhos, a separação sempre traz insegurança e medo com relação ao futuro, para os filhos.

Diante da separação dos pais, é comum que os filhos fiquem bastante divididos com relação a com quem ficar. Eles amam tanto o pai quanto a mãe, e torna-se uma escolha muito difícil para eles saberem com quem desejam morar. Normalmente não querem decepcionar nem o pai e nem a mãe, e também não querem perder o convívio com nenhum dos dois.

Nesta situação, muitos pais se perguntam se o filho pode ou deve escolher com quem deseja ficar.

Do ponto de vista jurídico, o filho só pode decidir com quem deseja ficar a partir dos 12 anos. E mesmo assim, a definição da guarda é feita pelo juiz ou acordada entre os pais. Mas, nem sempre os pais conseguem entrar em um acordo pacífico com relação a isto.

O que deve ser levado em consideração para essa decisão é o que será melhor para a criança, e não para o pai ou a mãe. Algumas questões que devem ser consideradas são:

- com qual pai a criança tem maior afetividade e proximidade?

- qual pai tem a melhor condição de assistir, de estar em contato com a criança em suas atividades do dia a dia?

- a condição emocional do pai e da mãe no dia a dia com a criança?

- e em qual local será mais fácil de a criança ter a maioria da sua rotina preservada após o divórcio, sem que ela tenha que sofrer muitas mudanças além da própria separação?

E o que fazer quando um filho que ainda é criança expressa muito a falta do pai ou da mãe, mas está sob a guarda da outra parte?

1. É importante que o pai ou a mãe que está com essa criança permita que ela veja e fale com o outro, lembrando que é natural que ela sinta saudade e, por mais que o ex-casal não se fale ou ainda carregue muitas mágoas um do outro, precisam entendem que a criança tem o direito de continuar amando o pai e a mãe e precisando deste contato. Os pais não devem proibir o filho de ver ou falar com o pai ou com a mãe, e nem devem usar o afastamento do pai ou da mãe como castigo ou disciplina por algo que fizeram ou deixaram de fazer.

2. O pai e a mãe podem permitir que o filho fale sobre a saudade que sente, permitir que ele chore e dar a este filho a compreensão da sua dor, seja através de um abraço enquanto ele chora, seja incentivando-o a dar um telefonema para o pai ou a mãe de quem estão com saudades. O filho precisa ser compreendido em sua dor.

3. Os pais não devem falar mal do outro para o filho, por mais que estejam ainda muito chateados um com o outro. Alguns pais, quando os filhos falam que estão sentindo falta do outro pai ou mãe com quem não moram mais, soltam frases como: “está com saudade daquele infeliz? Como você consegue ter saudade dele (a)?”, ou “seu pai (ou sua mãe) nem liga para você, e você fica aí sentindo falta dele!”. Frases assim são extremamente angustiantes para o filho, independente da idade. Os pais podem ter uma visão negativa do ex-cônjuge, mas jamais devem incentivar os filhos a terem essa mesma visão, lembrando que o relacionamento deles com o ex-cônjuge é um tipo; e o relacionamento dele (a) com os filhos é outro tipo.

“Para enfrentar as mágoas e desapontamentos de um lar destruído, as crianças precisam do apoio e da ajuda de dois pais sadios, honestos e amadurecidos, mesmo que estejam seguindo direções diferentes.” (Archibald D. Hart, Ajudando os filhos a sobreviverem ao divórcio, p.84)

Consultas Online

Mar10 Demo Image

Thaís Souza

Psicóloga e Pós-Graduada em Psicologia Familiar. Consultas online autorizadas pelo Conselho Federal de Psicologia. Clique aqui para mais informações.

Mais Informações

Consultas Online

Agende sua Consulta!

Acesse aqui nosso formulário para agendar uma consulta.

Leia Mais

Thaís Souza

Psicóloga

Formada em Psicologia e Pós-Graduada em Aconselhamento Familiar.

Leia Mais

Valores

Encontre aqui detalhes sobre as consultas e os valores.

Leia Mais

Consulta Legal

Consultas autorizadas pelo Conselho Federal de Psicologia para atendimentos online.

Leia Mais